Ponte Estaiada Octavio Frias de Oliveira, um marco na arquitetura nacional.

734 acessos

A ponte Octávio Frias de Oliveira é um marco na arquitetura nacional, pois foi construída com formato único: duas pontes em curva formando um X e sustentadas por estais ligados a um único mastro. 

Por Coppermax

Com o objetivo de oferecer aos usuários uma alternativa à Bandeirantes, surgiu o projeto da ponte estaiada. Ela possibilita o prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho até a Rodovia dos Imigrantes, com a transposição do rio Pinheiros.

Com duas pistas estaiadas em curvas independentes de 60°, cruzando o Rio Pinheiros, essa ponte estaiada faz parte do complexo viário Real Parque. É a única, no mundo, com duas pistas em curvas, unidas em um único mastro.

De autoria do arquiteto João Valente, desde 2008, quando foi inaugurada, a Ponte Estaiada Octavio Frias de Oliveira se tornou rapidamente um marco paulistano. No mastro, revestido com aço inox, estão ancorados 144 estais fixados na parte inferior do tabuleiro da ponte. Os estais são compostos por 10 a 15 cordoalhas de aço e medem 79 metros, o mais curto, e 195 o mais longo.

Apesar de todo o esforço do autor do projeto, o arquiteto João Valente, em conjunto com o calculista engenheiro Catão Ribeiro, para reduzir as dimensões do mastro principal, a massa construída resultou robusta. Permaneceu o desejo de torná-la mais delgada, de desenho mais harmônico e limpo.

“Desde o início do projeto foi considerada a utilização de elementos de aço inox de alto brilho aplicados ao mastro principal para acentuar sua verticalidade. Devido às dificuldades apresentadas durante a obra, que incluía a construção do segmento superior com inclinação negativa, buscamos o recurso de luz e sombra por meio de efeitos de alto e baixo relevo incorporados à forma do próprio concreto. Porém, à medida que as obras avançavam, podíamos perceber que o efeito obtido não respondia às necessidades estéticas de alongamento, e que resultasse em uma percepção mais reduzida do volume do mastro”, explica João Valente.

A insatisfação do arquiteto com o resultado, o levou a resgatar a ideia de revestir em inox os frisos, o nó e a haste. “A solução veio do arquiteto Ataíde Xavier, arquiteto e diretor da Coppermax, empresa que executou a instalação: ele propôs trabalhar com alpinistas. O que antes era uma aplicação praticamente impossível, se tornou factível”, diz Valente, lembrando que usou painéis de aço inox escovado fornecido pela ArcelorMittal Inox Brasil. “O revestimento trouxe grande riqueza visual de brilhos e reflexos. O travessão central que tinha uma presença muito ostensiva de concreto, ganhou reflexos da cor do céu, com tons mutantes, desconectando aquela peça do desenho das hastes verticais. Mesmo se tratando de uma obra bruta, de muito volume, a ponte tem um refinamento do ponto de vista estrutural e conceitual que merecia ser assinalado e o aço inoxidável fez isso bem”, ressalta Valente, lembrando que o material de fácil limpeza, retém pouco a sujeira, fator importante numa cidade poluída como São Paulo.

 

Os painéis de aço inox utilizados na ponte Octávio Frias de Oliveira atendem às exigências técnicas, transmitem um toque de arrojo, de tecnologia e praticidade de limpeza. De acordo com o arquiteto Ataíde Xavier, da Coppermax, o maior desafio foi desenvolver um sistema de fixação amigável, que atendesse todos os rigores técnicos exigidos e possibilitasse a instalação por escaladores. “Realizamos vários estudos que mostraram que a instalação pelo método de escalada era o mais viável. Foi necessário desenvolver a fixação adequada para aplicar os painéis nas faces negativas. Em alguns pontos, a distância da superfície de concreto, onde os painéis de inox foram fixados, e o topo do mastro chega até 8 m. Nesta situação, a força da gravidade atua no sentido contrário ao ponto de instalação”, explica Ataíde.

A estratégia adotada pela Coppermax foi desenvolver as peças na fábrica e simular a instalação. “Isso permitiu aos escaladores simplesmente fixar o parabolt com as esperas no concreto e depois rebitar os painéis de inox na peça”, complementa. Pré-montados, os painéis foram içados por cordas e os escaladores/instaladores puderam fazer a fixação, com grande agilidade no processo. Foram utilizados 2000 ml de aço inox tipo U, na dimensão 150 x 250 x 150 mm, aplicados em três colunas distantes entre si cerca de 130 mm. No total, foram utilizados na obra 13.200 quilos de chapas de inox 444 e 304, com espessura de 1,5 mm e acabamento escovado Nº 4SP, fornecidos pela ArcelorMittal Brasil.

Conheça, abaixo, mais detalhes dessa obra com a participação da Coppermax.

 

Fonte: AECWeb

A Coppermax destaca-se, no mercado brasileiro, em sistemas de fachadas, coberturas, paisagismo e revestimentos especiais utilizando cobre, titânio, alumínio, inox e aço cortén.